Conceitos nómadas e interdisciplinaridade

Pormenor de Map of Total Art (2012) de Qiu Zhijie (fotografia de Ed Jansen)

 

A noção de interdisciplinaridade envolve uma certa fluidez conceptual, podendo contemplar a complexidade ou hibridez do objecto, a complexidade do objectivo a atingir, ou ainda a complexidade dos métodos de trabalho delineados. Igualmente variável é o modo como a noção de interdisciplinaridade pode ser articulada com a de transdisciplinaridade. Veja-se o facto de a Network for Transdisciplinary Research (td-net), sediada nas Academias Suíças da Ciência, optar por fazer uma abordagem conjunta dos dois conceitos, remetendo para a Academia das Ciências estadunidense, que entende a interdisciplinaridade como um termo abrangente (umbrella term) do qual a transdisciplinaridade seria uma subcategoria. A definição da investigação interdisciplinar proposta pela US National Academy é então esta:

    Interdisciplinary research is a mode of research by teams or individuals that integrates information, data, techniques, tools, perspectives, concepts, and/or theories from two or more disciplines or bodies of specialized knowledge to advance fundamental understanding or to solve problems whose solutions are beyond the scope of a single discipline or area of research practice.

Especialmente na vertente transdisciplinar, a interdisciplinaridade desenvolve um processo integrativo de várias disciplinas ou campos de conhecimento de competências reconhecidas, reunidos com um propósito de resolução de questões específicas. É a pertinência deste propósito que justifica a opção interdisciplinar. Os critérios que a determinam e avaliam podem ser diversificados, e embora sejam maioritariamente científicos também contemplam parâmetros sociais, económicos, culturais, artísticos… Seja como for, todos esses critérios reivindicam uma maior adequação a um objecto ou a um objectivo, tidos como mais complexos do que as áreas disciplinares autónomas poderiam prever ou abranger.

Este tipo de definição da interdisciplinaridade assenta no reconhecimento de que a complexidade crescente do mundo em que vivemos desestabiliza as fronteiras do conhecimento e implica a sua travessia, ou mesmo o seu questionamento e/ou transbordamento. Haveria, pois, uma relação entre a complexidade crescente dos mundos cobertos pelas áreas de conhecimento em que trabalhamos e o recurso à interdisciplinaridade e à transdisciplinaridade. Desde 1972, ano em que a OCDE publicou uma primeira taxonomia da Interdisciplinaridade (Klein 2010: 1), a velocidade de divulgação e troca de conhecimento tem sofrido reconhecidamente um processo de aceleração com consequências no modo como entendemos e articulamos as áreas científicas entre si. Assinale-se ainda que, na prática, a interdisciplinaridade também tem constituído uma estratégia de reconversão académica, disciplinar e curricular importante. O melhor exemplo disso talvez seja o surgimento da Interdisciplinaridade como área disciplinar em si mesma. Outra área que poderia servir de exemplo a esta renovação é a da Complexidade.

Julie Thompson Klein, cujo trabalho constitui uma referência incontornável para a conceptualização dos estudos interdisciplinares, estabelece um nexo entre a interdisciplinaridade e a renovação das áreas de estudo, bem como dos seus recortes e autonomia. Em “A Taxonomy of Interdisciplinarity”, Klein distingue entre uma interdisciplinaridade restrita (caso dos trânsitos entre disciplinas afins, como a História Literária e a História das Mentalidades) e uma interdisciplinaridade ampla (por exemplo, entre Humanidades e Ciências) (cf. Klein 2010: 5-6). Por outro lado, refere ainda as diferenças entre uma interdisciplinaridade metodológica (é o caso da partilha da inferência estatística por parte de diferentes disciplinas, ou o da importação de determinados conceitos das Humanidades por outras áreas, como acontece, por exemplo, com as noções de texto ou drama) e uma interdisciplinaridade teorética, que corresponde à interdisciplinaridade como área disciplinar em si mesma (idem: 9). Esta ideia de interdisciplinaridade encontraria a sua mais funda realização numa interdisciplinaridade integrada, capaz de alterar o perfil das áreas de conhecimento das quais partira (Klein exemplifica-a com o campo das neurociências computacionais). É este o objectivo da transdisciplinaridade.

No que diz respeito às Humanidades, são de sublinhar duas metáforas que, na esteira da Nuffield Foundation de Londres, Julie Thompson Klein considera centrais para falar de interdisciplinaridade: “fazer pontes” (entre disciplinas bem delimitadas) e “reestruturar” (reordenar partes de outras disciplinas num conjunto novo). E Klein refere uma terceira possibilidade que estaria presente quando um novo conceito abrangente ou uma nova teoria subsumem teorias e conceitos de várias disciplinas pré-existentes mas afins do ponto de vista interdisciplinar, unindo-as num recorte sintético (seria o caso da Antropologia). A palavra-chave, lembra Klein, é “transcender” (idem: 16).

A interdisciplinaridade envolve, pois, a hibridização, a meu ver de duas formas: quer porque pode responder a uma necessidade de apreender um objecto de estudo novo que convoca instrumentos até então a funcionar isoladamente; quer porque o cruzamento experimental de diferentes instrumentos téoricos e críticos também pode tornar possível a construção de um novo objecto de conhecimento, ou de uma área de conhecimento que se afigura necessária. No domínio das Humanidades, e no campo dos estudos interartísticos, a interdisciplinaridade encontra uma grande produtividade ao nível do que tem sido designado por conceitos nómadas, ou travelling concepts se usarmos a formulação de Mieke Bal, presente logo no título da obra de referência que é Travelling Concepts in Humanities – A Rough Guide (2002). Na introdução, Bal defende que a interdisciplinaridade a valorizar nas Humanidades, aquela que se torna necessária, desafiante e feita com seriedade, é a que procura as suas bases heurísticas e metodológicas em conceitos, mais do que em métodos (2002: 5); e fundamenta-se na sua então já longa experiência de ensino e investigação, citando mesmo o papel fulcral do conceito de “Narrativa” para a elaboração de um dos seus trabalhos mais marcantes. Vinda do campo dos estudos literários, Mieke Bal designa como “análise cultural” a transversalidade que defende e sublinha a condição dinâmica, partilhada, não unívoca dos conceitos que visita no seu livro, entre os quais é central o de imagem.

Na mesma linha, também Frédéric Darbellay acentua a importância dos conceitos nómadas enquanto instrumentos heurísticos permitindo estabelecer pontes entre diferentes áreas científicas:

    Specialists in different disciplines use nomadic concepts to study a whole range of key subjects (concepts like correlation, laws and causality, calculation, problem, selection, competition, organism, complexity, norms, transfer) that circulate among genetics, economics, logic, biology, anthropology, philosophy, history and psychoanalysis. (Darbellay 2012: 10-11)

Para o Grupo Intermedialidades, e genericamente para o Instituto de Literatura Comparada Margarida Losa, o recurso a conceitos nómadas estruturantes tem sido um instrumento fundamental. Desde sempre o nosso Centro reuniu investigadores de diferentes áreas das Humanidades, no plano de uma interdisciplinaridade restrita, e tem vindo a transcender progressivamente as fronteiras disciplinares das Humanidades e a aprofundar uma intermedialidade ampla e metodológica. No projecto em curso, Literatura e Fronteiras do Conhecimento – Políticas de Inclusão, ordenamos a nossa pesquisa em função de conceitos que partilhamos com os outros dois Grupos de Investigação, entre os quais se destacam os de Fronteira, Inclusão, Exclusão, Hibridismo. Esses conceitos permitem-nos articular questões muito diversificadas do ponto de vista científico e também desenvolver uma estratégia de relação com a comunidade.

Para o Grupo Intermedialidades, estes conceitos são articulados em função da especificidade do nosso objecto de estudo (que pode ser descrito como um objecto textual e artístico, em processo de intensa transformação). Com efeito, ao estudarmos a poesia moderna e contemporânea, trabalhamos noções de imagem quer de proveniência retórica quer em associação com a visualidade, a imaginação e o imaginário, aspectos pelos quais o texto trabalha a imagem; mas, por outro lado, a poesia moderna e contemporânea desenvolveu-se em estreita interacção com as artes plásticas e com a emergência da imagem em movimento do cinema, e depois com o vídeo e os média digitais. Actualmente, as artes da escrita evidenciam uma hibridez substancial relativamente a outras artes, partilhando uma tendência generalizada para a partilha dos suportes e das linguagens na produção artística. E reagem aos efeitos do “pictorial turn” cunhado por W. J. T. Mitchell, e ao “digital turn” (cf. Darbellay 2012: 5). Por esse motivo, a complexidade e hibridez do objecto de estudo é determinante no modo como equacionamos as nossas questões de investigação, fazendo pontes entre a escrita literária e o cinema, o vídeo, a pintura, a fotografia e a performance.

A crescente complexidade do objecto que estudamos tem consequências metodológicas importantes e apela à inter- e à transdisciplinaridade. Como estudar a transmedialidade sem projectar metodologicamente a transdisciplinaridade? Encontramos aqui o efeito de um objecto de conhecimento em reconfiguração que age sobre as correlativas metodologias e as delimitações das áreas científicas e artísticas. Processo que deverá ter tradução na renovação da oferta formativa, necessariamente. A palavra e a imagem estão completamente interligadas na cultura audiovisual que é a nossa, e isso tem consequências para a literatura, para o modo como a literatura e a as outras artes evoluem ou se relacionam entre si. Deste ponto de vista, a abordagem interdisciplinar torna-se simplesmente incontornável.

No entanto, há aqui um pequeno reparo a fazer pois importa lembrar que valorização da interdisciplinaridade não tem que pôr em causa as abordagens monodisciplinares. Hoje, é difícil não ver que qualquer projecto transdisciplinar é tido como potencialmente mais “interessante” do que um projecto monodisciplinar. E isto também é um modismo. Não tem que ser sempre assim, e devemos avaliar esta situação com discernimento crítico. A crescente relevância da interdisciplinaridade está relacionada com o grau de complexidade cada vez maior dos sistemas entre os quais nos movemos. Não é por acaso que a complexidade é, hoje, em si mesma, um campo científico. Como resume John Holland (2014) ao distinguir sistemas complexos físicos e sistemas adaptativos complexos, nestes últimos os elementos são eles mesmos agentes adaptativos, e portanto os agentes mudam à medida que se adaptam, ou seja, competem uns com os outros, alteram o comportamento e geram alterações nos outros agentes. Novidade, adaptação, inovação, e mesmo a antecipação como forma de alteração do curso de um sistema, são algumas das características dos sistemas adaptativos complexos, características e comportamentos que identificamos facilmente em realidades como os mercados financeiros, ou a internet. Estes sistemas têm como propriedade distintiva, a emergência, ou seja, e como é costume dizer-se, neles “a acção do conjunto é superior à soma das acções das partes” (Holland 2014: 1). Em resumo, a interdisciplinaridade é um efeito do que o sabemos dos sistemas adaptativos complexos e simultaneamente a resposta que lhes podemos dar. É nesse contexto que nos interessa unir, cotejar e simultaneanente distinguir diferentes ocorrências disciplinares e artísticas dos conceitos que nos propomos trabalhar e partilhar.

Referências
Bal, Mieke (2002), Travelling Concepts in Humanities – A Rough Guide, Toronto, Buffalo, London, University of Toronto Press.
Darbellay, Frédéric (2012), “The circulation of knowledge as an interdisciplinary process: Travelling Concepts, Analogies and Metaphors”, Issues in Integrative Studies, no. 30, pp. 1-18.
Holland, John (2014), Complexity, A Very Short Introduction. Oxford University Press.
Klein, Julie Thompson (2010), “A Taxonomy of Interdisciplinarity”, The Oxford Handbook of Interdisciplinarity, Oxford, Oxford University Press.
___ (2013), “The State of the Field: Institutionalization of Interdisciplinarity”, Issues in Interdisciplinary Studies, nº 31: 66-74.

Rosa Maria Martelo
Coordenadora Científica do Grupo Intermedialidades do ILCML