Ana Luísa Amaral ganha prémio de Ensaio Jacinto do Prado Coelho

Ana Luísa Amaral, investigadora integrada e membro da direção do Instituto de Literatura Comparada (FLUP), é a vencedora ex-aqueo do Prémio de Ensaio Jacinto do Prado Coelho, da Associação Portuguesa dos Críticos Literários (APCL).

Segundo a APCL, Arder a palavra e outros incêndios, publicado pela Relógio d’Água com o apoio do Instituto de Literatura Comparada, é “um conjunto de ensaios orientados por um pensamento maturo e livre sobre vários autores portugueses e anglo-saxónicos”. Acrescentam ainda que “sem ficar fechada nos limites doutrinais do feminismo, Ana Luísa Amaral, tira da sua interrogação sobre a identidade da mulher os recursos de uma profunda renovação do sentido da literatura”.

O Prémio Jacinto do Prado Coelho é um prémio literário instituído pelo Centro Português da Associação Internacional de Críticos Literários com o apoio da Direcção Geral do Livro e das Bibliotecas em homenagem ao crítico literário com o mesmo nome.

Na edição de 2018, o júri constituiu-se por Cristina Robalo Cordeiro, professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Maria João Reynaud, professora aposentada da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e Paula Morão, professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde colabora com o Centro de Estudos Clássicos, e também com o Centro de Estudos Portugueses da Universidade de Coimbra.

Para além de Ana Luísa Amaral, também Álvaro Manuel Machado, professor na Universidade Nova de Lisboa, foi premiado com a sua obra O significado das coisas.